lunedì 7 novembre 2016

Lourenço de Almeida (c.1480 - marzo 1508 ) Explorer and Military Commander.

Lourenço de Almeida

Lourenço de Almeida (c.1480 - marzo 1508 ) è stato un esploratore portoghese e comandante militare.

Naque a Martim, Regno di Portogallo, figlio di Francisco de Almeida, primo viceré dell'India Portoghese. Agendo agli ordini di suo padre, Lourenço si è distinto nell'Oceano Indiano, e ha fatto in  modo che  Ceylon (oggi Sri Lanka) affluisse al Portogallo (Ceylon portoghese ). Egli apparteneva all'Ordine di Cristo.

Il suo primo viaggio a Ceylon nel 1505 fu il primo viaggio portoghese in quella terra e lì   ha stabilito un insediamento, permettendo così l'espansione dell'Impero portoghese in Asia.

Ha sconfitto la flotta del Zamorin nella battaglia di Cannanore nel 1506. Due anni più tardi però, è morto in un'azione navale al largo Chaul, in India, nella battaglia di Chaul.

Francisco_de_Almeida 1º vice rei da Índia.

Lourenço de Almeida (c.1480 - March 1508) was a Portuguese explorer and military commander.
He was born in Martim, Kingdom of Portugal, the son of Francisco de Almeida, first viceroy of Portuguese India. Acting under his father, Lourenço distinguished himself in the Indian Ocean, and made Ceylon (present Sri Lanka) tributary to Portugal (Portuguese Ceylon). He belonged to the Order of Christ.
He made the first Portuguese voyage to Ceylon in 1505 and established a settlement there, thus permitting the expansion of the Portuguese Empire in Asia.
He defeated the fleet of the Zamorin at the Battle of Cannanore in 1506. Two years later however, he died in a naval action off Chaul, in India, at the Battle of Chaul.

Depois de terem partido para Portugal sete naus carregadas com especiarias, de que ia por Capitão-mor Fernão Soares, levantou-se o problema do que fazer durante, a «moção» seguinte, às naus de Vasco Gomes de Abreu e de João da Nova, ambos nomeados capitães-mores das duas armadas que segundo o regimento de D. Francisco de Almeida, deviam ser organizadas na Índia. Por um lado, tratava-se de naus muito grandes, de quatrocentos tonéis cada uma, cujo calado não lhes permitia franquear a barra de Cochim, por outro ao ter conhecimento do que acontecera com a armada de António de Saldanha, D. Francisco terá chegado à conclusão de que não valia a pena organizar uma armada para operar em permanência na boca do mar Vermelho antes de dispor ali de uma base. Por tudo isso, resolveu mandar regressar as duas naus em questão a Lisboa, carregadas com especiarias, dando a escolher aos seus capitães irem nelas ou ficarem na Índia noutros navios. Optando ambos pelo regresso a Portugal, ficou vago o cargo de Capitão-mor da armada destinada a operar entre o golfo de Cambaia e o cabo Comorim, que o vice-rei deu a seu filho D. Lourenço de Almeida, apesar de ser ainda um jovem de vinte e poucos anos. A armada que lhe foi entregue e cujas tarefas principais eram bloquear Calicut, dar caça às «naus de Meca» e proteger os navios de Cochim e Cananor, bem como, em caso de necessidade, socorrer as nossas fortalezas e feitorias, compunha-se de três naus pequenas, cinco caravelas e uma galé que ainda se encontrava em Cochim a completar o seu armamento. Desta armada, duas caravelas eram, normalmente, mantidas diante de Calicut para impedir que ao seu porto chegassem ou partissem as «naus de Meca». Os outros navios andavam geralmente juntos comboiando as naus de Cananor e de Cochim e dando caça às «naus de Meca».
Em fins de Fevereiro, estando D. Lourenço de Almeida em Cananor, foi procurado por um italiano, que vivia em Calicut fazendo-se passar por «mouro», e que vinha sondar os Portugueses sobre a possibilidade de perdoarem e tornarem a receber os dois compatriotas seus, fundidores de artilharia, que estavam ao serviço do Samorim. Por seu intermédio, soube D. Lourenço que em Calicut se estava aprontando, no maior segredo, uma grande armada, de mais de duzentos navios, para o ir combater. Enviou logo a galé a Cochim com o italiano, não só para que este pudesse negociar directamente com o vice-rei o regresso dos fundidores de artilharia, como também para o informar de viva voz dos preparativos do Samorim. Em relação a estes, as únicas coisas que D. Francisco de Almeida pôde fazer foi concluir o armamento da galé que estava em Cochim e enviá-la o mais depressa possível a D. Lourenço de Almeida com a recomendação de que fosse combater com a armada de Calicut logo que ela saísse para o mar e que não se esquecesse do que lhe cumpria fazer como cristão, como português e como seu filho!
Indo a dita galé ao largo de Calicut, aconteceu que nesse preciso momento começou a fazer-se ao mar a armada do Samorim composta por mais de sessenta naus e para cima de uma centena de paraus e de zambucos, umas e outros muito bem artilhados e guarnecidos com muita gente de armas. Convirá dizer, em abono da verdade, que a grande maioria das naus que constituíam aquela armada era pertença de mercadores «mouros» que se bem que estivessem interessados na destruição dos Portugueses, estavam ainda mais interessados em que as suas naus, repletas de mercadorias preciosas, alcaçassem em segurança os portos do Norte. Logo que a nossa galé foi avistada, os paraus de Calicut deram-lhe caça. Mas ela, fazendo força de remos e aproveitando bem o vento, conseguiu escapar-lhes. Já perto de Cananor encontrou as duas caravelas encarregadas do bloqueio de Calicut que tinham ido àquela cidade fazer aguada. E na companhia delas apressou-se a continuar para norte a fim de avisar D. Lourenço de Almeida da aproximação da armada do Samorim. Vinha este de Angediva, trazendo consigo o bergantim destinado ao serviço daquela fortaleza, quando se encontrou com a galé e as duas caravelas. Posto ao corrente dos movimentos da armada de Calicut, D. Lourenço de Almeida reunio imediatamente conselho, no qual ficou assente que, dada a esmagadora superioridade numérica do inimigo, os navios portugueses se deveriam esforçar por evitar as abordagens e limitar o combate a um duelo de artilharia em que todas as vantagens estavam do seu lado. Na tarde do dia 17 de Março, navegando a nossa armada ao largo de Cananor, foi avistada a armada de Calicut que avançava majestosamente, numa massa compacta de velas, a certa distância da costa.
   Depois de invocado o auxílio divino e de dada a absolvição geral pelo capelão, os navios portugueses, com as guarnições nos seus postos de combate, avançaram contra o inimigo. Orçando o mais que pôde, D. Lourenço de Almeida colocou-se a barlavento da armada de Calicut e, no momento oportuno, arribou sobre ela, ao mesmo tempo que, muito provavelmente, virava em roda por forma a poder seguir ao mesmo rumo e à distância mais conveniente para o tiro de artilharia. Começando os canhões a troar de parte a parte, depressa se manifestou a superioridade dos Portugueses, neste tipo de combate, em relação aos Malabares e «Mouros». Além de terem navios muito mais resistentes e canhões mais potentes, tinham ainda, neste caso, o vento a seu favor, que reduzia o alcance dos pelouros e das flechas lançadas em ambundância pelo adversário. As naus de Calicut que estavam sendo mais visadas pela nossa artilharia começaram a ter bastantes mortos e feridos e a sofrer muitas avarias, tanto no casco como na mastreação. E, para fugir ao castigo que estavam sofrendo, essas naus começaram, pouco a pouco, a arribar para aumentar a distância aos portugueses, o que as fazia aproximar perigosamente da costa. Obviamente, as outras naus que estavam por estirbordo delas ou que vinham na sua esteira eram também, obrigadas a arribar. O resultado disso foi que toda a armada do Samorim, ao mesmo tempo que era fustigada pelo fogo da nossa artilharia, ia sendo empurrada para a costa. Doze naus, já muito avariadas e fazendo água, acabaram por encalhar. As restantes foram fundear mais adiante, numa baía, onde se amarraram todas umas às outras para melhor se defenderem em caso de abordagem. Mas esta não teve lugar. Com o apoximar da noite, o vento caiu completamente e a armada portuguesa foi obrigada também a fundear. Durante esta primeira fase da batalha os paraus e zambugos de Calicut não cessaram de lançar sucessivos ataques contra os navios portugueses, sem no entanto, conseguirem vencer a barreira constituida pelo fogo da nossa artilharia. Alguns foram afundados e outros ficaram muito avariados e cheios de mortos e feridos. Vinda a noite, D. Lourenço de Almeida reunio novo conselho, durante o qual se chegou à conclusão de que afinal, a grandiosa armada do Samorim não passava de um espantalho. Além da sua patente inferioridade qualitativa no tocante a material, comfirmada no combate da tarde, verificara-se também que somente duas naus e os paraus demostravam vontade de combater. Decidiram, por isso, os capitães portugueses que no dia seguinte, logo que surgisse a oportunidade, abordariam as duas naus em que parecia residir a principal força do inimigo, com as suas três naus e uma caravela, enquanto as outras caravelas, as galés e o bergantim entretinham os paraus e os zambucos.

Comvém dizer que os fidalgos não tinham qualquer simpatia pelo combate de artilharia, durante o qual eram obrigados a permanecer ociosos, e que, no seu entender, não dava honra nem glória. É natural que do lado dos «mouros» e malabares também se tenha feito conselho que não poderia ter chegado a outra conclusão senão de que lhes era impossível prosseguir para norte sem serem completamente aniquilados, e, muito provavelmente, terão tomado a decisão de regressar a Calicut. Logo que, altas horas da noite, começou a soprar o terreal as naus dos «mouros» em absoluto silêncio e em total ocultação de luzes, fizeram-se ao mar, deixando os paraus junto à costa, por certo com algumas luzes e fazendo barulho, para melhor enganar os portugueses. Ao romper do dia 18, constataram estes, com supresa, que as naus inimigas já estavam bastante ao largo, navegando para sul, e que os paraus cosendo-se com a terra, procuravam também escapar-se nessa direcção. As caravelas e as galés foram logo no encalço destes últimos provocando-lhes avarias e baixas e obrigando alguns deles a dar á costa ao mesmo tempo que as naus faziam força de vela para se aproximarem das contrárias. Entretanto na ponta de Cananor a guarnição da nossa fortaleza, que ali havia sido construída no ano anterior, tinha colocado um canhão de grosso calibre com que começou a bombardear os paraus e os zambucos que passavam ao seu alcance. Não obstante, a maioria destes conseguiu escapar aos tiros das caravelas e galés que os perseguiam e do canhão de Cananor e foi juntar-se às suas naus. Por volta do meio dia, conforme habitual naquela época do ano, caiu completamente o vento, ficando as duas armadas encalmadas à espera da viração. Vinda esta, retomou a armada de Calicut o seu caminho para sul, ao mesmo tempo que as naus portuguesas procuravam aproximar-se dela, o que não era fácil por estarem muito sotaventadas. Aconteceu, porém, que o vento refrescou consideravelmente e um certo número de naus de «mouros», ou porque fossem menos veleiras, ou porque tivessem o seu aparelho em mau estado devido ao combate da véspera, foram dar à baía de Cananor, onde tiveram de fundear. Como entre essas naus estavam as duas de grande porte que tinham suportado praticamente sózinhas o combate do dia anterior, os portugueses aproveitaram a oportunidade para as ir abordar. Só que isso foi muito mais difícil do que parecia. Devido à força do vento, as três naus portuguesas e a caravela que havia sido designada para colaborar naquela operação não conseguiram carregar o pano a tempo e, com o seguimento que levavam, roçaram pelas adversárias, mas não foram capazes de ficar atracadas a elas, indo fundear um pouco mais adiante. O pior é que durante os curtos instantes em que a nossa capitânia passou de raspão pela capitânia inimiga, cinco fidalgos mais desembaraçados tinham saltado para dentro dela, de escudo e espada na mão. E agora lá estavam, completamente isolados, lutando desesperadamente com mais de trezentos «mouros» e malabares! A situação era crítica em extremo! Em vão tentaram as galés passar reboque às nossas naus para irem atracar às adversárias, em vão procuraram as caravelas levar socorro aos cinco que entretanto, se tinham refugiado no castelo da proa da nau inimiga. Devido à força do vento, à mareta e à atrapalhação geral, nada saía certo! A dada altura, uma das caravelas que procurava ajudar foi enfeixar-se na proa da capitânia de Calicut, o que permitiu, embora com muita dificuldade, que mais alguns fidalgos passassem para o castelo daquela, reforçando os que ali se encontravam encurralados. Até que o mestre da caravela se lembrou de cortar com um machado a amarra da nau de Calicut, do que resultou esta começar a descair com o vento para cima da nau onde estava D. Lourenço de Almeida, à qual ficou encostada. Vendo finalmente chegado o momento tão ansiosamente esperado, os fidalgos portugueses lançaram-se como um furacão ao assalto da capitânea inimiga e em poucos minutos todos os seus tripulantes ou jaziam mortos no convés ou, tendo-se lançado à água, estavam a nadar para terra! Enquanto isto se passava, as outras duas naus portuguesas tinham também conseguido aferrar a segunda nau de calicut e tinham-na tomado. Entretanto, as restantes caravelas e os navios de remo passavam um mau bocado, isolados uns dos outros e cercados por todos os lados por uma multidão de paraus e zambucos que não paravam de fazer chover sobre eles pelouros e nuvens de flechas. Mas, melhor ou pior, lá se foram desevencilhando sozinhos, afundando mais uns tantos paraus, avariando outros e matando-lhes muita gente. Neste transe, esteve o bergantim quase perdido, porque tendo-de-lhe acabado as munições, foi entrado por grande número de malabares que obrigaram a sua reduzida guarnição a refugiar-se a ré, por baixo do toldo. Só que Simão Martins, Capitão do bergantim e homem de muitas forças e não menos ânimo, não podendo sofrer a afronta de ver o seu navio invadido pelos malabares, foi-se a eles sozinho, de espada na mão e, depois de ter estendido seis, obrigou os restantes a saltar para a água. Seguidamente, vendo que se aproximavam mais quatro paraus, apontou-lhes um barril coberto com um pano preto, a fingir que era um canhão de grosso calibre, e fez menção de pôr fogo à pólvora, o que levou os paraus a afastarem-se! Por fim, chegaram as galés que o tiraram da difícil situação em que se encontrava. Tomadas as duas principais naus inimigas, os portugueses lançaram-se ao assalto das restantes naus que se encontravam fundeadas em Cananor, das quais se apossaram com relativa facilidade. Nesta fase da batalha foram afundadas dez naus inimigas, capturadas nove, afundados vários paraus ou zambucos e capturados sete. Os restantes paraus e zambucos, vendo o que estava a acontecer aos seus companheiros, puseram-se em fuga em direcção às suas naus que iam a caminho de Calicut. 

Nada mais havendo a fazer em Cananor, D. Lourenço de Almeida mandou as caravelas e as galés em perseguição do inimigo em retirada, as quais aproveitando o luar, andaram toda a noite às bombardas a ele, tendo conseguido ainda afundar uma grande nau que levava mais de quinhentos homens e alguns paraus ou zambucos. Em toda a batalha perdeu a armada de Calicut mais de metade das suas naus e muitos paraus e zambucos. As perdas em homens teriam sido superiores a três mil mortos, além dos feridos. Do lado português não morreu ninguém, embora tenha havido bastantes feridos. E assim terminou, com uma vitória completa dos Portugueses, esta memorável batalha de Cananor, em que ficou definitivamente demonstrada a superioridade do nosso material, da nossa táctica, dos nossos chefes e dos nossos soldados e marinheiros em relação aos seus homólogos indianos e «mouros». Algum tempo depois, D. Lourenço de Almeida, que em todas as fases da batalha se revelara um capitão prudente, hábil e destemido, mandou erguer na ponta de Cananor, no local onde havia sido montado o canhão uma pequena ermida dedicada a Nossa Senhora da Vitória, em agradecimento pela grande vitória que naquelas águas alcançara. 
 



Portuguese arrival in Ceylon - 1505

 

Nessun commento:

Posta un commento